21 de outubro de 2010

De volta à realidade (ou talvez não...)

Este Benfica não tem estofo europeu
«Se é muito sensível não leia este post. Se ainda acha que o Benfica perdeu por azar ou porque Gaitán foi expulso, esqueça, o melhor é parar por aqui pois vamo-nos zangar. Da próxima vez, caro adepto, quando cair, não o faça com o traseiro, pois até domingo vai ser difícil conseguir sentar-se com as dores que vai ter. É que esta bipolaridade de "vamos ganhar ao Lyon, não é nada de extraordinário, quem acha o contrário é um borrado", etc, irrita-me de tão idiota que é. Agora, duas notas muito importantes:

Aos jogadores, técnicos e dirigentes: era óbvio que isto iria ocorrer, estava escrito com letras maiúsculas nas vossas testas. Mas em vez de olharem uns para os outros, não, preferiram olhar para o céu e andaram (ainda andam?) com a cabeça nas nuvens, carregados de ilusões. Saiu quem equilibrava (Ramires) e quem desequilibrava (Di Maria) e, pior que não virem reforços no verdadeiro sentido da palavra, nem sequer vieram alternativas a curto-prazo. Há ali matéria prima que pode e deve ser trabalhada, mas o futebol do Benfica não pode ser pensado apenas a longo-prazo senão arriscamo-nos a que ganhemos apenas um campeonato a cada cinco anos. Um exemplo é a formação de Di Maria: uma primeira época medonha, uma segunda medíocre e uma terceira fenomenal. O que acontece? Sai logo no final da terceira, é impossível mante-lo depois disso pois há equipas na Europa com argumentos financeiros muito mais fortes que os nossos. Mas isso será conversa para outro post. Jesus demonstrou muito de bom nestes 16 meses de Benfica, mas também conseguiu demonstrar uma arrogância/basófia que roçam a insensatez. Um líder deve ser um exemplo para os seus jogadores e as palavras proferidas antes dos encontros contra o Schalke e agora contra o Lyon são o exemplo daquilo que não se deve fazer. Nunca vi Mourinho fazer isto, por exemplo, ele que é considerado controverso, não falta ao respeito para com os adversários no pré-jogo. Por fim, os jogadores, muitos deles sem estofo europeu. Quem? Prefiro dizer aqueles que têm, a meu ver, esse estofo: Luisão, Fábio Coentrão e Aimar. Ponto final. A lista é curtinha e é uma pena não haver mais. Uns por estarem constantemente fora de forma, caso de Saviola, outros por ainda cometerem erros primários de julgamento, falo de David Luiz, e outros por não terem estaleca para isto, como Maxi ou Martins. É "muita futabole", como diria Jesus. E é mesmo, para eles é. Servem para as competições internas? Claro que sim, mas a nossa Liga é um caso completamente à parte, se queremos ganhar na Liga estes jogadores chegam, se queremos ir longe na Europa precisamos de outras armas. E penso que ninguém espera que sejam os reforços sul-americanos que ainda não têm um ano de futebol europeu a resolver estes jogos.

Aos adeptos. A fase maníaca da bipolaridade evidenciada na caixa de comentários do post abaixo é um bom exemplo daquilo que eu vou falar. Não sei se é estupidez ou simplesmente desconhecimento total do futebol europeu afirmar que o Benfica tem de ganhar ao Lyon. Não sei mesmo. Ganhar ao Lyon não seria nem fácil nem normal, muito pelo contrário, seria algo de totalmente inesperado. Mesmo para o Benfica da época passada, seria uma autêntica surpresa. Eu lembro-me bem de Jesus ter dito na SIC, dias depois de nos termos sagrado campeões, que ficou surpreendido com a vitória no Velódrome. Claro que ficou, também eu fiquei. Uma equipa tacticamente muito evoluída e com um conjunto de jogadores que juntam força e técnica em todos os sectores não é fácil de bater em ocasião nenhuma. E olhando para o onze de hoje do Olympique Lyonnais, comparando um a um os jogadores com os do Benfica, as conclusões a que chego são as que já tinha apresentado ontem: são melhores, bem melhores. Só não o são nos centrais e no defesa esquerdo, de resto todos os outros são melhores. No entanto, por uma razão inexplicável, houve um conjunto de cabeças pensantes que achou que o Benfica ia ganhar e que mostrar satisfação com o empate seria sinal de fraqueza. Fraqueza? Não, era pragmatismo vs. estupidez.

No entanto, se me perguntassem à partida, ainda em Setembro, quantos pontos teria o Benfica ao final da terceira jornada, a resposta seria três, no máximo quatro. Não mais que isso. Estes resultados foram normais para o que já esperava. E muito provavelmente também se verificaria esta tendência (VDD) com a mesma equipa do ano passado. Então por que razão estou tão chateado com o que se está a passar? Atitude. É esta a palavra chave e que não está a ser seguida. Tem sido falta de atitude aliada a muita basófia e erros primários que levaram a este estado. Com muita pena minha, esta é a verdade sobre o actual Benfica. Temos um Benfica que chega e sobra para o nível interno e que ganhará este domingo em Portimão, mas um Benfica insuficiente para a piscina dos grandes da Europa do futebol. E eu que até costumo lembrar-me do que me prometem, olho para 2012 e não vejo o Benfica dominador em Portugal e no estrangeiro que me prometeram.»
Jorge Jesus e a Táctica
«Jorge Jesus é conhecido como "O Mestre da Táctica". Porquê? Não sei. Sinceramente parece-me completamente descabida esta afirmação por vários motivos, alguns dos quais já abordados aqui no blog, como a defesa profunda à zona em livres a mais de 30 metros da baliza que são um autêntico convite a uma bola tensa para intervenção difícil do guarda-redes e que já nos custaram para cima de dez golos, a ridícula transição ataque-defesa que me faz pensar "ena tantos!" quando há contra-ataques dos nossos adversários e agora mais uma: esquema táctico, ou como lhe quiserem chamar.

Jogar na Champions não é o mesmo que jogar no campeonato, óbvio, todos sabemos isso. Todos? Então por que raio é que Javi Garcia anda sozinho pelo nosso meio-campo defensivo a tapar buracos aqui e ali sem ajuda de ninguém? Não será possível colocar Airton ao lado de Javi Garcia para o meio-campo ganhar estabilidade e músculo? Ou o Mestre da Táctica tem inflexibilidade táctica?! Já tinha colocado estas questões anteriormente, o Benfica da Champions não pode ser o Benfica do campeonato, tem de ter mais presença física na acção defensiva e não pode estar sistematicamente com o chamado "bloco alto" pois estas equipas da Liga dos Campeões, imaginem, sabem atacar. E isso paga-se.
Mourinho joga com Khedira e Xabi Alonso, Ancelotti com Obi Mikel e Essien, Allegri com Pirlo e Gattuso, Wenger com Denilson e Song, Guardiola com Mascherano e Busquets, Benítez com Stankovic e Cambiasso, Ferguson com Carrick e Anderson. Jesus joga com Javi Garcia apenas. Se calhar esta é uma parte do problema. Não quero parecer aquele maluquinho que discutia com o Trapattoni durante os jogos, mas isto parece-me demasiado evidente.»
Estes textos foram retirados do blog Eterno Benfica depois da derrota do Benfica, por 2-0, frente ao Lyon. A pergunta que fica é: era preciso andar com tantas desculpas se a verdade está à vista de todos? Devido às condicionantes colocadas nas suas opiniões pela sua direcção, os adeptos do Benfica apenas conseguem ter estes "flashes" de realismo nas competições europeias. Sim, porque na próxima derrota para a Liga volta a conversa do costume. Quem sabe já este fim-de-semana...