28 de maio de 2012

Ignorância sem fim

Confesso que estive indeciso quanto ao título deste post. A primeira versão do mesmo foi "Um clube de burros", mas embora a esmagadora maioria o seja, desde os dirigentes ao mais comum dos adeptos, há no Benfica pessoas que merecem respeito. O que não é o caso do anónimo que comentou o post anterior, o Carlos Lisboa e os que escreveram o seguinte comunicado:
«Enganam alguns, algum tempo
A genética efectivamente define o carácter das pessoas. Mostrou ontem [dia 24] o Porto Canal a prova irrefutável que justificou toda a violência no Caixa Dragão. As “bárbaras” provocações de Carlos Lisboa foram exibidas e repetidas até à exaustão. Os restantes canais foram atrás, e reproduziram as “irrefutáveis” provas que as virgens ofendidas decidiram exibir, alguns com direito a lupa e ampliação. Esqueceram-se os responsáveis do Porto Canal de dizer uma coisa básica: que misturaram imagens do segundo jogo da Fase Final com imagens do quinto encontro. Imagens em que Carlos Lisboa reage ao maior provocador de todos, o treinador adjunto do FC Porto, com imagens dos festejos do título.

Mas a “provocação” do segundo jogo não deu em nada, o jogo acabou sem violência e sem reparo. Já a provocação do quinto jogo, essa sim é inadmissível de aceitar, porque afinal de contas representava a perda do título nacional. Esta é que foi a maior provocação de todas.

O mais incrível é que ninguém questionou ver nas imagens – supostamente do mesmo jogo – árbitros diferentes. Efectivamente quando não se sabe ser sério não se consegue jogar limpo em nada. Uma questão de genética.»
Este comunicado tinha como objectivo descredibilizar o FC Porto e o Porto Canal, mas apenas conseguiu ridicularizar o Benfica e confirmar o que as provocações não foram só neste jogo.

De facto foi uma tirada de mestre dizer num comunicado oficial que as imagens eram de dois jogos diferentes, como quem comunicava uma coisa extraordinária, quando no próprio vídeo o Nuno Marçal refere que se tratam de situações de dois jogos diferentes. Para que não restem dúvidas basta ouvir a partir de 1:32, onde ele diz "recordo outro acto, no jogo 2":


Ou seja, a tentativa do Benfica de mudar o assunto das conversas com a história das imagens manipuladas, foi apenas mais um episódio anedótico para o clube encarnado.