20 de fevereiro de 2013

Golos a menos para tanto domínio


O FC Porto recebeu e bateu por 1-0 o Málaga, em jogo a contar para os oitavos-de-final da Liga dos campeões. O resultado foi muito simpático para os espanhóis, dado o domínio total que o FC Porto teve no jogo.

Faltou uma vez mais ao FC Porto o que foi faltando noutros tantos jogos, falta de decisão, e principalmente explosão, no último terço do terreno. Temos que ser capazes de transformar a imensa posse e circulação de bola em algo mais quantificável - oportunidades, remates perigosos e, claro, golos. Se o domínio de ontem tivesse sido espelhado no resultado, íamos a Málaga quase só para cumprir calendário ou, pelo menos, com uma margem de manobra bem maior.

Quanto à tentativa dos espanhóis - e não só - de quererem resumir um jogo, com tamanho domínio e controlo do Porto, a todos os níveis, a um fora-de-jogo milimétrico é não menos que ridículo, redutor e muito pouco realista. Não se pode ignorar o erro, grave mas "compreensível", mas é de todo injusto resumir aquilo que o Porto fez ontem a um golo em fora-de-jogo. A mesma coisa para a prestação do árbitro. Há quem tente vender a ideia de que a equipa de arbitragem premeditou o favorecimento ao Porto, mas quando o João Moutinho marcou ainda me estava a perguntar como foi possível o assistente e o árbitro não terem assinalado nenhuma das duas faltas que o Antunes cometeu na mesma jogada. E não se percebe a suposta falta do Jackson naquele canto. O Málaga sofreu o erro mais grave, mas só o Porto fez por ganhar. Aliás, fez muito mais do que isso.

Estava à espera de muito mais do Málaga e acredito que na segunda mão se vão mostrar a outro nível, não têm outro remédio. Em Espanha vamos ter que ser tão ou mais competentes do que fomos ontem, mas principalmente mais eficazes.