5 de março de 2013

Equipas pequenas com um estádio grande

FC Porto e Benfica passaram por grande dificuldades nos seus jogos do passado fim-de-semana. Se aos encarnados a habitual "sorte" não lhes falhou e acabaram por vencer, os azuis-e-brancos deixaram ficar dois pontos na deslocação a Alvalade. Enquanto o Benfica se apresentou na casa do último classificado com o seu onze mais forte, o FC Porto foi a jogo frente ao Sporting privado de Moutinho e Mangala, além de não contar ainda com James e Atsu na melhor forma devido a lesões recentes.

Trouxe o jogo do Benfica à conversa porquê? Porque ambos, Porto e Benfica, entraram em campo com a mentalidade de quem vai defrontar uma equipa pequena com um estádio grande sendo que, neste caso, só o Benfica é que tinha razão e, mesmo assim, só ganhou porque teve os "deuses" do seu lado. Por isso, mais do que as ausências por lesão ou o cansaço de alguns jogadores (Varela, Lucho e Danilo são casos flagrantes), faltou encarar o Sporting como aquilo que ele é: um rival.


Enquanto os jogadores do Sporting entraram em campo com a sentimento de rivalidade bem presente, os do FC Porto encararam este jogo como sendo um jogo normal. Um clássico nunca é um jogo normal. Não importa como está o adversário, o resultado é sempre imprevisível. Alguém devia meter isto na cabeça dos jogadores, porque o primeiro passo para a derrota (empate neste caso) é menosprezar o adversário e desde 2008 que somos melhores que o Sporting, desde 2008 que os menosprezamos, desde 2008 que vamos a Alvalade perder ou empatar.

Não sou da opinião dos que dizem que perdemos o campeonato neste jogo e continuo a achar que somos a melhor equipa da Liga, mas ficámos sem margem de erro. Faltam nove jornadas para terminar o campeonato e sabemos que com nove vitórias somos campeões de certeza. Está na hora de unirmos esforços e puxar todos para o mesmo lado. O Tri está já aí à porta e só depende de nós.

Força, Porto!