27 de setembro de 2013

A polémica fundação do Futebol Clube do Porto

Vamos directos ao assunto: há quem diga que a fundação do F.C.Porto é assente numa fraude. Fraude essa que faz de António Nicolau d'Almeida fundador do clube portuense, a 28 de Setembro de 1893, quando, na verdade, o verdadeiro fundador seria José Monteiro da Costa, algures em Agosto de 1906.

Nem todos o dizem da boca para fora. Dizem-no em resultado de pesquisas de, por exemplo, relatos, recortes de jornais ou documentos.

Para mim, o portismo é uma forma de estar na vida e, como tal, fiz eu própria as minhas pesquisas. Tanto na internet - grande contributo dos Blogs Memória Portista , BitriBibó Porto, Carago! - como "in loco". Para juntar ao que recolhi nas páginas acima citadas, levantei o dito traseiro do sofá e fui a uma das bibliotecas municipais da cidade do Porto. Não sou historiadora, mas fiz a minha parte ao ver o que outros historiadores fizeram.

Em primeiro lugar, há que relembrar que vamos buscar factos ocorridos há 120 anos. Muito tempo passou e por mais elaborado que possa ser o trabalho de quem tenta comprovar uma e outra teoria, ficam sempre algumas dúvidas no ar.

Vamos por partes, então.

28 de Setembro de 1893, António Nicolau d'Almeida cria o Football-Club do Porto. Facto. Nicolau tinha cerca de 20 anos, era sócio de uma empresa exportadora de vinho do Porto e dado para o desporto. Praticava remo e natação no Clube de Velo do Porto, onde terá feito uma primeira tentativa falhada de formar um grupo de futebol.
Para comprovar, fica a página do Diário Ilustrado (jornal lisboeta) do dia em questão:

Fundou-se, no Porto, um club denominado Football Club do Porto
Em baixo, recortes do mesmo jornal, de Outubro de 1893, dando conta dos primeiros "jogos-treino" entre membros do clube no antigo hipódromo de Matosinhos.



Como se pode ler ao fim do último artigo: "Consta-nos que, brevemente, se realiza um grande match entre este Club e o Football Club-Lisbonense". Seria o primeiro grande ponto alto do FCP. Em baixo, pode-se ler a carta que António Nicolau d'Almeida escreveu a Guilherme Pinto Basto (a 25 de Outubro de 1893) presidente do clube lisboeta e outro pioneiro do futebol em Portugal. Era um convite para de disputar um jogo a 1 de Novembro.

"Desejando solenizar a definitiva instalação do Football Club do Porto, resolvemos organizar um “match”… …Cumpro, pois, na qualidade de presidente do Football Club do Porto, o honroso dever de convidar por intermédio de V. Exa. os valentes e adestrados jogadores do Club Lisbonense a tomarem parte no referido "match". Na esperança de sermos honrados com a anuência ao n/pedido, aguardamos o favor de uma resposta rápida p.ª n/governo. Deus guarde V. Exa. Illmo. Sr. Presidente do Football Clube Lisbonense."



O convite foi aceite por Guilherme Basto, mas não para a data pretendida por Nicolau, como se pode ler no recorte de jornal.

O grande jogo iria então realizar-se em Março de 1894 e em honra do Rei D.Carlos I que não só ofereceu a taça, como fez também questão de estar presente no Oporto Cricktet and Law-Tennis Club, no Campo Alegre. Pelos portistas, jogaram Mac Geoc, F. Guimarães, A. Nugent, Arthur Dagge, Mac Millan, Eduardo Kendall, F. H. Ponsonby, Adolfo Ramos, Mackechnie, R. Ray e Alfredo Kendall. O FC Porto perdeu por...1+1. Bem, a corte atrasou-se e quando se instalou no "camarote" improvisado já o Lisbonense vencia por 1-0. Decidiu-se que se iria jogar mais trinta minutos e a equipa do sul marcou mais um golo, rezam as crónicas. Por 1 ou por 2, a Taça del Rey foi com os visitantes:


A esta altura, parece de facto comprovado que existia um Futebol Clube do Porto em 1893 e, pelo menos, 1894. Que aconteceu depois? António Nicolau d'Almeida não pôde dar seguimento ao seu sonho por força do casamento com Hilda Rumsey que detestava não só o futebol - achava-o violento demais e mal visto - como a vertente mais desportiva do seu esposo. Hilda até era irmã de Arthur e Lacy Rumsey que chegou a jogar nas primeiras equipas do FCP, mas Nicolau deixou, a pouco e pouco, que o seu FC Porto entrasse em letargia e hibernasse. Ficou-se pelo "elegante" ténis, onde ia mantendo contacto com Guilherme Pinto Basto.

À viragem do século, o clube estava praticamente inactivo, sendo que o futebol, na cidade do Porto, jogava-se apenas, grosso modo, no Oporto Cricket Club e do Boavista Football Club, mas quase em exclusivo por ingleses e dentro dos seus círculos.
Há uma foto datada de 1905 relativa a um jogo entre o Lisbon Cricket Club e o Futebol Clube do Porto (foi assim definido pela imprensa da época) que venceu por 5-2, a 6 de Janeiro. Em baixo, podemos ver a foto de equipa que alinhava com o equipamento do Oporto Cricket Club, precisamente pela convergência entre jogadores dos dois clubes.  Fora do meio inglês, o futebol não tinha grande expressão nem conhecimento (já lá vamos) daí que António Martins, um dos primeiros sócios do clube após 1906, diga que nem ele nem os colegas a quem Monteiro da Costa apresentou o futebol conheciam a modalidade a não ser que,  lá está, se praticava no Oporto Criecket Club e no Boavista Football Club.


Em 1906, chega então José Monteiro da Costa que, tal como Nicolau d'Almeida, apaixonou-se pelo futebol em terras de Sua Majestade. Chegou a Portugal com bolas, botas e regulamentos, cheio de vontade de implantar um clube na cidade portuense.

Aqui começam as dúvidas e confusões. Também é verdade que José Monteiro da Costa fundou - burocraticamente, digamos assim - o Futebol Clube do Porto a partir da base logística do Grupo do Destino, do qual fazia parte. Em Agosto de 1906, em assembleia, foi decidido por maioria (13 contra 12 votos) reorganizar e relançar o Futebol Clube do Porto. Li, até, em consulta na biblioteca municipal (Futebol Clube do Porto, 100 anos de História 1893-1993; Álvaro Magalhães e Manuel Dias) que António Nicolau d'Almeida chegou a ser convidado a fazer parte dos corpos gerentes do clube, mas que a sua crescente indisponibilidade levou-o a indicar para o cargo Romualdo Torres.
Monteiro da Costa começou por arranjar um campo relvado (o primeiro do país, o Campo da Rainha) sendo que, passo a passo, foi surgindo o primeiro equipamento oficial, o primeiro jogo no estrangeiro, o primeiro troféu (Taça Monteiro da Costa, mas que o homenageado já não pôde assistir em vivo). Foi o definitivo embalo do FC Porto e daí para a frente não mais parou.

No entanto, há quem defenda que não há qualquer tipo de relação entre o Futebol Clube do Porto de António Nicolau d'Almeida e o Futebol Clube do Porto de José Monteiro da Costa a não ser o nome. Há até quem diga que Monteiro da Costa nem sequer sabia do que se tinha passado entre 1893 e 1894 e os jogadores dessa época também nada tinham a ver com o "novo" FCP. Tudo coisas separadas e diferentes, tudo uma coincidência que Pinto da Costa aproveitou para fazer com que o Porto "ficasse mais velho" e aldrabasse os portistas. 



Portanto, ambos fundaram o clube mas Monteiro da Costa é considerado primeiro presidente porque oficializou, de facto, o FC Porto? Ou, então, estamos mesmo a falar de dois clubes diferentes e sem ligação?

Recortes de jornais de épocas seguintes às de Monteiro da Costa assumem sempre que o FC Porto foi fundado em 1906. E, na verdade, o próprio clube fez o mesmo até 1987. Porque mudou, então?

Entra aqui o trabalho dos historiadores. António Rodrigues Telles foi o pioneiro e o primeiro a traduzir para palavras os feitos do F.C. Porto. A primeira edição foi publicada em 1933 e chama-se "História do Foot-Ball Club do Porto 1906-1933"


"Pois cá está, nem rasto de 1893", pensaram alguns.

Errado.

Na década 90 do século XIX, Portugal "recuperava" do humilhante Ultimato Inglês e da cedência do Rei D.Carlos I às vontades da corte inglesa. A presença de ingleses na cidade do Porto era alta e gerou-se uma certa animosidade não só para com eles como também para tudo o que tivesse origem em Inglaterra. Como estou a entrar na parte decisiva desta história, faço uso de citações directas. Glória e Vida de Três Gigantes, do jornal A Bola: "A geração de 90, então, busca refúgio num nacionalismo estreito cujo denominador comum era a negação de tudo o que tresandasse a anglo-saxónico - como o football". A pouca força do futebol nos anos 90 do século XIX é também corroborada por Cândido de Oliveira que descrevia assim a altura: "Não havia aficion nem o futebol era verdadeiramente espectáculo público. Era apenas desporto, uma diversão de alta roda".  

Mas sabemos que, ainda que com pouco impulso e estatuto, o futebol existiu. O Futebol Clube do Porto existiu, criado por António Nicolau d'Almeida e sabemos porque motivo deixou de organizar treinos e jogos. Ainda em jeito de contextualização histórica e política - sempre importante - a animosidade para com tudo o que tivesse rótulo inglês é também referenciada pelo "O Tripeiro", que acrescenta o seguinte num artigo a respeito do centenário do clube, em 1993: "O FCP existiu, portanto, desde que alguém sob esse nome constituiu um grupo, vestiu uma camisola e ganhou ou perdeu desafios de futebol. É estranho que Monteiro da Costa, que certamente conheceria Nicolau, desconhecesse tanto o futebol como a tentativa anteriormente havida".

Este aspectos - afastamento de Nicolau d'Almeida e a quase exclusividade da prática de futebol a círculos fechados de clubes ingleses - ajudam a explicar o porquê de haver tanto "deserto" entre 1893 e 1906.

Mas, de uma vez por todas, há ou não ligação entre os dois homens e os dois FCP? Vejamos o que se pode concluir.

Glória e Vida de Três Gigantes - A Bola: "Em 1906, seria refundado por Monteiro da Costa, amigo de António Nicolau d'Almeida. Que se ligaria ao clube, acompanhando alguns dos seus amigos que, para além do nome, lhe mantivera a cor das camisolas (azuis e brancas) e a bandeira da Monarquia (...) alguns dos jogadores do Foot-Ball Club do Porto como Mackechnie, Nujent ou Kendall alinharam, no Foot-Ball Club do Porto refundado por Monteiro da Costa, em 1906".

História do Futebol Clube do Porto, António Ribeiro Telles (sim, o mesmo de acima): "António Nicolau d'Almeida fundou...o Futebol Clube do Porto, como a carta [a Guilherme Basto] assim nos indica. Da ligação ao Futebol Clube do Porto de 1893 e o que nasceu em 1906 já se tiraram, por certo, algumas conclusões, e outras mais podem surgir.(...) Também se sabe que António Nicolau d'Almeida, afinal, acompanhou os homens do Futebol Clube do Porto depois de 1906. Foi, portanto, um homem da nossa agremiação, aquele que primeiro a sonhou! (...)

Recorte de Armando Pinto, do Blog "Memória Portista"

O mesmo livro, do mesmo autor, António Ribeiro Telles refere o seguinte: " É mais um elemento a confirmar, portanto, o que na "História" se tem dito sobre a existência do jogo em 1893 - e, positivamente, sobre o aparecimento do Futebol Clube do Porto fundado por António Nicolau de Almeida. Soubemos também, por um ilustre membro da família de António 
Nicolau d'Almeida e por vários dos seus amigos que o Sr.  Mackechnie, jogador e adepto do FC Porto, em 1906-7, etc, era dos inseparáveis companheiros do fundador de 1893. (...)
Há ainda, e com absoluta certeza claro, a existência do futebol na cidade do Porto há 61 anos. A ligação Futebol Clube do Porto - António Nicolau d'Almeida e a amizade comprovada deste último com o britânico Mackechnie deveria ter certa influência com a  iniciativa de José Monteiro da Costa, de mais a mais sabendo-se da presença no "novo clube" de Mackechnie, Rumsey, Wright e ainda Ernesto Sá, - que antes de 1906 também jogara em Matosinhos, no tal campo do Prado"

Recorte de Armando Pinto, do Blog "Memória Portista"

Começa a deixar de ser assim tão parvo e uma aldrabice pegada interligar Nicolau d'Almeida e Monteiro da Costa, interligar 1893 e 1906. 
Foi mais ou menos este o raciocínio que Rui Guedes - autor, entre muitos (muitos mesmo) outros livros - fez através da fotobiografia do Futebol Clube do Porto. A verdade sobre a fundação era sabida mas não, inexplicavelmente, assumida.
Passo a citar: " Acabou por conhecer António Nicolau d'Almeida que, inflamado e apoiante, o incentivou a continuar o seu Football Club do Porto, que tiveram de abandonar por razões familiares. António Nicolau d'Almeida foi dos primeiros a aparecer no novo Campo da Rua da Rainha, seguido de muitos homens do FCP de 1893. (...) 
Pela minha parte, em ano e meio de profunda investigação também não encontrei nenhuma prova de que algo ligado ao Grupo do Destino ou ao FCP tivesse acontecido nesse dia (2 de Agosto de 1906).
Mesmo quando Camilo Moniz (homem ligado ao FCP desde 1908) num Boletim do Futebol Clube do Porto ou Rodrigues Teles mencionaram a fundação do Clube durante uma assembleia do Grupo do Destino num Domingo de Agosto de 1906 não foram exactos quando afirmaram ter sido no dia 2 que, confirmei, era uma quarta-feira. (...) "

Recorte de Armando Pinto, do Blog "Memória Portista"
Recorte de Armando Pinto, do Blog "Memória Portista"
Posto isto, Rui Guedes decidiu lançar o repto ao clube para repor a data de fundação do Futebol Clube do Porto para 28 de Setembro de 1893
"É inegável a importância que Monteiro da Costa teve no FCP e atrevo-me até a afirmar que, sem ele, o clube não teria passado de uma experiência curiosa já esquecida. Mas também não será justo não atribuir a António Nicolau d'Almeida o correcto lugar de pioneiro e fundador do FCP, a elevação do Clube à presença Real e o incentivo e apoio posteriores a José Monteiro da Costa."

Recorte de Armando Pinto, do Blog "Memória Portista"

O desafio foi lançado aos associados do clube, em Assembleia-Geral  realizada a Fevereiro de 1988, que aprovaram, então, a alteração.

Caros portistas, fica aqui o meu simples e humilde trabalho que continuou o que outros Dragões - renovo as saudações a Armando Pinto e Fernando Moreira dos blogs Memória Portista e Bibó Porto, Carago, respectivamente e à equipa do Bitri - já haviam feito.
O restante, resultou da minha pesquisa pessoal. Não será, de certo, um trabalho perfeito mas reúne vários indícios que trazem lógica à instituição de 28 de Setembro de 1893 como data da fundação do Futebol Clube do Porto e partilho da conclusão de Rui Guedes quanto à importância e lugar dos dois fundadores. Os documentos, relatos, fotografias e recortes estão aqui e as peças ligadas. Compete a cada um acreditar no que bem quiser e entender.
Da minha parte, amanhã será um dia de comemoração e agradecimento a António Nicolau d'Almeida, bem como aos que tornaram real e palpável o seu sonho, na viragem do século. Desde Mackechnie a outro grande obreiro do FC Porto, José Monteiro da Costa, passando por muitos outros homens a quem se deve prestar homenagem. Sem eles, todos, uma das principais fontes de alegria das nossas vidas não existiria e têm todos, por igual, um lugar muito especial reservado no coração, alma e memória portistas. Que se fale de António Nicolau d'Almeida, mas que nunca se esqueça José Monteiro da Costa. Imaginavam que o vosso Futebol Clube do Porto se tornasse na força tremenda que é hoje?

42 comentários:

  1. Palavras para quê

    Muitos parabéns.

    ResponderEliminar
  2. Excelente trabalho! Muitos parabéns! Saudaçoes PORTISTAS

    ResponderEliminar
  3. Parabens por o trabalho mas a data de fundacao so diz respeito aos portistas e se voces ficam contentes que seja considerado 1896 por mim tudo bem

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desaparece daqui lampião!!!! Por ti??? mas quem és tu para comentar o que quer que seja da história deste grande clube centenário? Desaparece!!!!!!

      Eliminar
  4. Está de parabéns. Artigo muito bem estruturado e documentado.

    ResponderEliminar
  5. siulloureiro27/09/13, 11:48

    Parabéns pela dedicação que deu origem a este excelente trabalho de investigação.

    Saudações desPortistas!!!

    ResponderEliminar
  6. Parabéns, excelente aritigo.

    ResponderEliminar
  7. Parabéns a equipe do Portistas Anónimos, por esse excelente artigo!
    Saudações Portistas.

    ResponderEliminar
  8. Parabéns á excelente equipa do Portistas Anónimos, que só agora descobri e palmas para o trabalho da fundação do Clube, e já tinha a certeza da data, através de uma publicação de A Bola aqui há uns anos e este post confirma em absoluto a sigla " A Vencer desde 1893".

    ResponderEliminar
  9. Muitos parabens e obrigado pela dedicacao e trabalho.

    Abraco.

    ResponderEliminar
  10. caríssimos,

    também eu vos parabenizo pelo excelente artigo

    e convido-vos a darem uma vista de olhos a esta página lá do meu estaminé: "a vencer desde 1893"

    somos Porto!, car@go!
    «este é o nosso destino»: «a vencer desde 1893»!

    abr@ços :D
    Miguel | Tomo II

    ResponderEliminar
  11. Grande e belo trabalho. Parabéns. É um prazer poder contribuir para estudos desta envergadura. Foi com agradável surpresa que descobri. Abraço.

    AP
    F C Porto: Dragão com 120 anos!
    http://memoriaporto.blogspot.pt/2013/09/f-c-porto-dragao-com-120-anos.html

    ResponderEliminar
  12. Excelente artigo, muito bom mesmo. Há contudo um pequeno erro que por lapso certamente referem. Prende-se com o nome de um dos colaboradores para a construção desse artigo. É citado o nome de Fernando Monteiro, colaborador do blogue Bibó Porto Carago! Na verdade, o nome correcto é Fernando Moreira, grande amigo meu e gostaria que alterassem esse pequeno pormenor. O seu a seu dono, porque o Fernando é na verdade um dos grandes conhecedores da história do FC Porto :)
    Mas só mesmo esta chamada de atenção porque o artigo está simplesmente fantástico, os meus mais sinceros parabéns :)

    ResponderEliminar
  13. Caríssimo Rui Saraiva,

    tem toda a razão em fazer o reparo. Por acaso, quando há pouco abri a página do blog, ia precisamente corrigir o nome. Naquela altura do artigo já só via Almeidas e Monteiros :))

    Fico muito contente que tenha gostado do artigo.

    Agradeço igualmente aos restantes, particularmente ao Armando Pinto, pois sem outros grandes trabalhos seus este não seria possível.

    Saudações portistas e um feliz aniversário ;)

    ResponderEliminar
  14. Muito sinceramente, estou sem palavras que signifiquem o tanto que apreciei este belo artigo. É um contributo inestimável para a História do nosso amado Clube. Excelente!

    Apenas um reparo: não mereço a citação que me faz a Jeannie Ferrami. De todo! Portistas como Armando Pinto deram, sim, a texto o muito que conhecem da grandiosa história do FC Porto.

    Mais uma vez, PARABÉNS!
    Um abraço de DRAGÃO AZUL FORTE.
    Fernando Moreira (28 de Setembro de 2013 – 120 anos de conquistas!)

    ResponderEliminar
  15. Telmo Ferreira28/09/13, 16:21

    Excelente!muito bom mesmo!!!

    ResponderEliminar
  16. Blandina Cidália
    Palavras para quê ? O azul e branco já diz tudo... Parabéns ao autor do blogue! E sejamos sempre nós ( PORTISTAS ).

    ResponderEliminar
  17. Enganar para que? Somos a 120 anos vencedores de tudo o que nos tenta derrubar, força Porto e rumo ao Tetra! PORTO!!!!!!

    PS: Visitem o meu blog Portistas:

    http://jogos-e-anime.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  18. Muito bom trabalho. Parabéns!

    ResponderEliminar
  19. kinogomes, este post foi escrito por uma portista para os portistas. Apesar disso apreciamos a visita de todos, mas não estamos para aturar a tipica dor de corno pós-mau resultado. Se te apetece insultar alguém começa pelas pessoas que te são mais próximas. Só não insultes o treinador do teu clube, aí pode correr mal para o teu lado.

    ResponderEliminar
  20. Bruno Paiva29/09/13, 17:54

    Não vou colocar nenhum afirmação, para não ser crucificado, mas deixarei um punhado de questões para que os historiadores me possam responder:

    1- De acordo com o que li Nicolau e Monteiro da Costa eram amigos. Mas porque razão o Monteiro tirou a parternidade do club ao seu amigo Nicolau?

    2- Porque razão Nicolau nunca foi sócio do seu querido clube?

    3- Porque razão o sr. Monteiro da costa não incluiu o nome do seu amigo na lista dos primeiros associados do clube?

    3- Porque razão o Nicolau, morrendo em 21 de Feveiro de 1948, nunca reclamou a fundaçao do seu clube? andou desaparecido durante 41anos? Mesmo se a sua esposa achava o desporto violento não se vê nenhuma razão para deixar o sr Monteiro da Costa como fundador do seu clube. Sera que era por ser o seu melhor amigo?

    4- Mesmo que durante 41 anos não tenha sido tempo para nao questionar a fundacao do clube, creio que os seus descendentes teriam a responsabilidade de retribuir a verdade ao sr Nicolau. Neste caso louvado seja o Pinto da Costa que não tendo nenhuma ligacao ao sr Nicolau fez o que nenhum amigo,familiar fez por ele.

    5- Porque razão a única prova da data de fundação é um artigo de um jornal?Por sorte não foi no dia 1 Abril...

    6- Se realmente foi nesse dia, como conseguiu o sr. Nicolau enviar a notícia a Lisboa, para que nesse mesmo dia ainda fosse a tempo de ser imprensa? fax/mail/sms? Nem que fosse a um jornal do Porto, seria possível fundar um clube e no próprio dia colocar a notícia na edição do jornal logo de manhã. Mais valia a direção do FCP colocar a data de fundacao 27 de Setembro de 1893...

    7- Porque razão não existe uma acta, assinatura, ou consituida uma direcção do clube? Nem sócios havia porque no dia 28 de setembro de 1893 não aparece nada mais na notícia.Se calhar o único era Nicolau,se bem que sabemos que nessa altura os afiliados/sócios do club eram praticamente todos jogadores.

    7- Só por curiosidade há mais algum clube que tenha sido fundado através de uma notícia de um jornal?

    8- E verdade que Nicolau fundou um clube, mas o jogo que todos tentam dizer que foi a equipa do Nicolau contra a equipa dos Bastos será que foi mesmo assim? Na taça ganha e que está hoje no CIF diz lá claramente entre cidades e não entre clubes. Foi dito neste artigo que o futebol era pouco conhecido, era jogado por ingleses. Logo o FCP do Nicolau foi um aglomerado de jogadores do Velo entre outros, assim com os Pinto Bastos foram buscar jogadores de outros clubes. Reparem na notícia do jornal SPort. a razão para adiarem a partida foi porque tinham que escolher o grupo!!! ou seja tinham que escolher quem iria representar a cidade de Lisboa. (nao era escolher o 11 titular como e obvio) a propria taça de que ha fotos como podem consultar diz tudo.

    a verdade é que o Sr Nicolau nao esta entre nós para dizer que é ou nao o Pai do FCP, porque tenho a certeza que se fosse apenas o sr Monteiro da Costa, facilmente se dizia que ele estava esquecido que o seu amigo fez o que ele fez 13anos antes. Em ultimo lugar com tanta pesquisa e uma pena nao ter uma foto dos jogadores do FCP antes 1906 bem como seus socios, tesoureiros, vice-presidentes, etc.

    Qualquer dia alguem escreve, nao umas perguntas mas umas afirmações para mostrar o porquê desta história suscitar uma enorme polemica.

    ResponderEliminar
  21. Bruno Paiva29/09/13, 19:05

    Ha uma outra questao que ficou por colocar. É verdade que o sr Monteiro da Costa fundou o FCP a partir da base logistica do Grupo do Destino. Portanto como foi fundado esse grupo? Aqui está a chave, e é obvio que este grupo nao tinha sido fundado com base no FCP do sr. Nicolau, portanto como podemos dizer que o FCP actual tem base no grupo do destino mas ao mesmo tempo e refundado a partir do FCP sr Nicolau?

    Antonio Rodrigo Telles nunca falou em "refundacao" apenas fala do Grupo do Destino. Claro que posso estar errado pois todos somos humanos e todos erramos. Contudo para mim um socio fundador que escreve um livro sobre a historia do FCP, e nem uma menção faz ao Sr Nicolau e inacreditavel. ou o Sr. Nicolau era seu inimigo, para nao ter uma palavra de apreço ou então era um péssimo historiador

    ResponderEliminar
  22. Vamos lá ver uma coisa, no FC Porto nunca se tentou esconder que não havia actas ou outro tipo de documentos oficiais. Está bastante claro no artigo que eu disse que foi a partir de Monteiro da Costa que isso começou. E sim, na base logística do Grupo Destino.
    A restituição da fundação para 1893 (e a data do jornal é, como é fácil de entender, a data mais aproximada e, como tal, a mais adequada a usar. Sabe lá se eles souberam a 26 ou 27. Há muitos documentos e actas e por aí fora relativos a 1906, mas falam de um domingo dia 2 e dia 2 foi uma quarta-feira) diz respeito não a actas ou reuniões oficiais, mas sim ao trabalho efectuado e comprovado por Nicolau d’Almeida, 13 anos antes. Foi uma questão de justiça para com quem, para todos os efeitos, deu o primeiro passo, os primeiros treinos, o primeiro jogo, sendo que essa partida foi elevada a presença real, não é assim tão insignificante.

    Não sei se nesse último parágrafo se está a referir a Rodrigues Telles, ou não. Se sim, está a dizer asneiras, leia o artigo outra vez.

    Ao contrário de si, não me armei em sonsa, nem em parva, e comecei o post assumindo que por maior que fosse o meu trabalho, ficariam sempre dúvidas no ar, ou não estivéssemos a falar de coisas passadas há 120 ano atrás.

    A principal questão é se Monteiro da Costa, quando convenceu os restantes colegas do Grupo de Destino a “mudar” para FC Porto já tinha falado ou não com Nicolau d’Almeida. Sabe-se que sim, inequivocamente? Honestamente, li que sim, que ele até estava na reunião, mas como o livro foi escrito por duas pessoas que seriam rotuladas como adeptas do Porto, nem valorizei ao ponto de colocar no artigo...por causa das coisas. Sabe-se, inequivocamente, que aconteceu o contrário? Não. Está na lista de primeiros sócios? Não, mas sabe-se que acompanhou os primeiros passos do clube, segundo o Ribeiro Telles, com base em pessoas que eram próximas a Nicolau d’Almeida. Mesmo que ele fosse sócio, qualquer um poderia dizer que isso só mostra que ele se ligou ao clube depois de Monteiro da Costa fazer tudo “sozinho”, sem falar com ele.

    Também há outras…coincidências, desde o nome do clube até jogadores comuns às duas equipas, passando pelas circunstâncias em que ambos conheceram o futebol.

    Pode ver o que está escrito nas lápides dos dois homens, eu também nunca vi a família de Monteiro da Costa a insurgir-se contra a tão exclamada e proclamada fraude…pois, é complicado. Não sou historiadora, como comecei por dizer no artigo, apenas recolhi o trabalho deles não com o objectivo de mostrar se havia ou não um mínimo de nexo lógico na instituição da fundação do clube em 1893. Os sócios, em AG, e com base na exposição de Rui Guedes, acharam que sim, não PdC por decreto. Eu vi o suficiente para achar legítimo, mas não me chocava o contrário. O Bruno tem direito, igualmente, às suas conclusões.

    Relativamente a “Taça do Rei”: D.Carlos I queria não o nome dos clubes mas o nome das cidades de onde vinham, apenas isso.

    Quanto ao que se passava ou não no
    Lisbonense, não é comigo, se o Nicolau queria o jogo uma semana depois não seria, de certo, para jogar…sozinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Outra coisa que nunca é falada: O Porto de Ncolau d´Almeida teve mais 1 jogo, contra o futuro Beira-Mar de Mário Duarte. Não sei porque razão isso nunca é falado

      Eliminar
  23. Jeannie, admito que fez um bom trabalho de pesquisa, por isso dou-lhe os parabéns. No entanto, não concordo consigo. Parece-me estranho que um clube tenha deixado de existir durante 12 anos... A fundação dos dois clubes parece-me obviamente independente, mas são conclusões que cada um tira face aos documentos apresentados.

    As questões levantadas pelo Bruno Paiva parecem-me bastante pertinentes.

    Discordo do lema do FC Porto "a ganhar desde 1893", creio que quanto muito deveria ser "a ganhar desde 1906", porque entre os anos de 1893 e 1906, da suposta existência do FC Porto não ganhou nenhum jogo. Deve ser um dos clubes no mundo que demorou mais tempo até vencer o primeiro jogo.

    Em relação ao livro do jornal "A Bola" sobre a história do FC Porto (que eu até tenho) deve ter em consideração as fontes usadas para o escrever e o trabalho de pesquisa profundo ou superficial que foi feito.

    Apesar das divergências de opinião, congratulo-a mais uma vez pela pesquisa feita, assim é que deve ser feito, apresentar dados baseados em documentos. Tem muito mérito na forma como o fez e apresentou.

    Saudações

    ResponderEliminar
  24. Muito obrigada, Paulo.

    Com certeza que cada um tem direito às suas conclusões e opiniões relativamente a este assunto e sobre este artigo em particular. Nem eu tenho de meter coisas à força na cabeça das pessoas, cada um pensa por si. Limitei-me apenas pesquisar e reunir o maior número possível de trabalhos sobre o tema para tentar levantar um pouco o nevoeiro que havia - e ainda há - em torno da fundação do FC Porto. Era, em primeiro lugar, uma questão pessoal.

    Sempre que me foi possível, averiguei as fontes que outras fontes (espero não estar a ser demasiado confusa) utilizaram e quando me pareceram algo duvidosas, ou a carecer de alguma referência, nem as utilizei. E acredite que há por aí várias obras que ligam Nicolau d'Almeida de uma forma bem mais directa do que eu fiz aqui.

    Quanto ao slogan, é apenas para fazer referência ao ano de fundação, não para ter uma interpretação literal, but I get the joke ;)

    ResponderEliminar
  25. Trabalho de pesquisa e artigo BRILHANTES!!!
    Os meus sinceros Parabéns!
    Saudações Azuis e Brancas.

    ResponderEliminar
  26. Uma questão, de certa forma fora do contexto, mas relacionada, quanto aos pareceres dos doutos adversários:
    - Como é que D. Afonso Henriques pode ser considerado o fundador de Portugal se, entre 1143 e 1640, houve um interregno de 60 anos em que Portugal perdeu a independência? ... E esteve integrado na Espanha... Nesse prisma é outro país, a partir de D. João IV, quando se deu a independência...?!

    ResponderEliminar
  27. Enfim, Bruno, quando quiser ler o texto em condições tente outra vez.

    ResponderEliminar
  28. Bruno Paiva01/10/13, 21:24


    Fui educado, contestei acusações que me fez e demonstrei com factos tudo que disse, inclusive duas mentiras que a Jeannie publicou no artigo, como sabe. Se o meu comentário não foi publicado, foi para não ficar mal vista. Lamento se foi essa a minha intenção, mas primeiro que tudo fui honesto, sincero e verdadeiro.

    Como não quis publicar o meu comentário anterior (Por sorte guardei aqui no meu PC, não fosse o diabo tecê-las) aproveito para lhe pedir que publique este pois trago mais documentos históricos à sua pesquisa:

    http://3.bp.blogspot.com/-2uk3I6-4zBI/TjiB96thhvI/AAAAAAAAAT4/1DrPu9N_7gI/s1600/10.HFCP1956.jpg

    Retirado da página 17 do livro HISTÓRIA DO FCP 1906 - 1956

    Logo no primeiro parágrafo "a ideia de fundar o Futebol Clube do Porto, nasceu indiscutivelmente em 1906" e quanto muito há dúvidas em relação ao dia! Não há ao mês, nem ano...e isto feito por estudiosos e historiadores da época não da 2 década do século XXI...

    Acho que hoje em dia já não se dá o devido respeito a pessoas como o grande Camilo Monis.

    Já agora o Recorte de Armando Pinto do Blog Memória Portista, em que diz que o dia 2 de agosto de 1906 foi numa quarta-feira, e como todos podem comprovar nos seus computadores foi numa Quinta-Feira, parece-me ser mais uma opinião e não um artigo histórico, não concorda ?

    Outra incongruência é o facto de no artigo da A BOLA - e Glória e Vida de Três Gigantes estar escrito : "Em 1906, seria refundado por Monteiro da Costa, amigo de António Nicolau d'Almeida. Que se ligaria ao clube, acompanhando alguns dos seus amigos que, para além do nome, lhe mantivera a cor das camisolas (azuis e brancas) (...)"

    Bem de acordo com a página 20 do livro HISTÓRIA DO FCP 1906 - 1956 (se quiser que eu lhe envie o link desta página, tal como fiz para a outra é só pedir) diz o seguinte:
    "As suas cores, embora quase todos os seus fundadores fossem republicanos, deviam ser as da bandeira da Pátria" Não foi com o propósito de manter cores. Se fosse esse o caso estaria bem explícito. A única dúvida que houve nas cores era se haveria de ter as cores de Portugal ou as cores da cidade. Ninguém foi colocar a hipotese de ter as cores da equipa que jogou a Taça de El-Rei D. Carlos I....

    Espero que desta vez publique o comentário, mas se não o fizer só me dá razão pois tem receio que outros leiam e saibam o que foi escrito por sócios fundadores do Clube ! O conhecimento não é para ser guardado caríssima Jeannie.

    ResponderEliminar
  29. Bruno Paiva01/10/13, 21:53

    Para olhos da Jeannie:

    "Pode ver o que está escrito nas lápides dos dois homens, eu também nunca vi a família de Monteiro da Costa a insurgir-se contra a tão exclamada e proclamada fraude…pois, é complicado."

    "O FCPorto foi fundado, (...) cujos descendentes ainda pensaram, na altura, desmascarar este atropelo à sua memória. Conheci as duas pessoas “recrutadas,” digamos assim, para montar e dar alguma verosimilhança à nova “versão histórica” da fundação do clube. Uma delas era um curioso jornalista, tenaz coleccionador de histórias, uma espécie de pesquisador de ouro que esmiuçava tudo em que mexia, (cujo não idenfico porque ainda é vivo e não lhe pedi autorização par o meter nisso), a outra era, na altura, um conhecido pianista e homem de sete-ofícios, que criou ou copiou da televisão italiana a figura de um boneco que teve algum sucesso na RTP, o “Toppo-Giggio”."

    Crónica de Rui Cartaxana

    ResponderEliminar
  30. Alguma vez eu disse que não tinha dúvidas? Quer no texto - onde digo logo no início - quer aqui em comentários. Onde é que eu digo no texto que fica tudo em pratos limpos e comprovado? As dúvidas vão ficar-me desfeitas quando os dois senhores me vierem dizer o que passou. Se há quem se convence que tudo não passa de coincidências, eu fico na dúvida, nunca falei de certezas, Bruno.

    Apresentou fontes que contradizem outras que eu mostro, valem o que valem, por igual, todos podem estar certos em alguns aspectos e errados noutros, como a origem das cores das camisolas. E não me está a dizer novidade nenhuma em relação ao Rui Guedes.

    Se é quarta ou se é quinta só mostra que no tal domingo é que não foi. E isto é uma migalha em toda a história, não uma arma minha para descredibilizar o que se passou em 1906. Se quer ignorar e equivaler a zero o que se passou em 1893, esteja à vontade.
    Também lhe digo uma coisa: acho que o clube não dá o devido valor a Monteiro da Costa e lamento isso.


    Ficar mal vista? De todo. Como disse - cá estou a repetir-me - por 1001 vezes não sou historiadora (nem perto disso) não tenho nenhuma reputação a defender nem guardo o segredo obscuro que vai destruir o clube, enfim. Como se a aprovação de pessoas que não conheço de lado nenhum e que estão atrás do PC me desse sustento.
    Só não tenho paciência para aturar sonsos, não venha agora com paninhos quentes e com o "caríssima".

    ResponderEliminar
  31. Antes de mais gostava de lhe dar os meus sinceros parabéns pelo excelente trabalho aqui exposto. Em jeito de conclusão e apesar de ser um pouco redutora deixo-lhe uma questão. Sabendo que se não fosse o trabalho e a visão de Monteiro da Costa o FCP não existiria, como é possível que alguém que ama o clube e se orgulha das suas origens admita qualquer outra tese?

    Saudações


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma mera curiosidade por ser amante destes enigmas, o tal Club Lisbonense que disputou esse referido jogo com o dito Futbool Club Porto de Nicolau em 1894 , é sabida também a data da sua fundação? Antes ou depois de 1893 ? Se houvesse registos desse Clube podia ser que desvendássemos á altura mais pormenores de datas. Deixo aqui uma ideia . Obrigado, saudações Desportivas

      Eliminar
  32. Entendo a sua questão, Francisco.

    Como disse por aqui, remete-se a 1893 para valorizar o primeiro homem, a primeira ideia, intenção e gesto, os primeiros passos e para não esquecer ninguém. Monteiro da Costa é, provavelmente, o homem mais importante da história do clube, mas não é justo deixar António Nicolau d'Almeida e aquilo que fez de fora.

    Obrigada

    ResponderEliminar


  33. .

    Estive a ler de forma rápida, mas com atenção todos os comentários e eis que senão quando, vejo, leio que o sr Bruno Paiva para defender a sua tese, se escuda de forma fácil na opinião inquinada de um bêbado anti-portista militante de nome Rui Cartuxana, felizmente já nos confins do Inferno... perde assim o sr Bruno Paiva toda a sua eventual razão... pois ao recorrer ao testemunho de um Rui Cartuxana é o mesmo que a Autora do Post socorrer-se da opinião do Emplastro, sendo que, o Emplastro, até é mais credível, digno em termos de carácter e de verticalidade!!

    - - -

    A verdade, doa a quem doer, custe a quem custar (parodiando um tal de imbecil Nuno Lobo, Presidente-fantoche da AFL), a verdade é que em 1893 foi criado um clube, clube esse que fez treinos, que fez jogos, que teve um equipamento.. e que teve até pelos vistos actividade noticiada pelos jornais em 1893 e 1894...

    Se depois esse clube acabou, morreu, fechou portas, deixou de de existir, socumbiu, feneceu, escafedeu.... e em 1906 voltou a ressurgir, a levantar-se, a renascer, a voltar a existir... ISSO é prefeitamente legítimo, razoável, aceitável, compreensivel, indesmentível até pelos factos, argumentos e evidêencias antes postados.

    Querer duvidar, pôr em causa, questionar tudo ISSO, à distância de 120 anos e SOBRETUDO querer perguntar pelas datas, actas, registos, documentos.. como se fosse possível, à distância de 120 anos recuar na Máquina do Tempo e obrigar um simples grupo de amigos, que resolveram juntar-se para jogar à bola irem ao Registo Notarial, ao Governo Civil, á fazenda Pública ou coisa que o valha e 'obrigá-los' em 1893, a oficializar o clube !!!

    Como se em 1893 para se poder jogar à bola e fazer uns jogos fosse 'obrigatório' estar registado, legalizado, inscrito numa Associação, ou numa Federação que nem sequer existiam !!!

    Realmente ele há cada tonto, cada sonso, cada tanso.

    E lá por fazerem perguntas de retórica, ou frases semântica, dialécticamente bem conseguidas, estruturadas, já pensam que podem negar que em 1893 o FCP existiu !!!

    Como se fosse assim uma coisa absolutamente extraordinária, impensável um clube começar e depois ir-se abaixo... para depois, 11 ou 12 anos mais tarde, voltar a recomeçar, renascer das cinzas.

    Quer dizer, por exemplo, em 1977 eu e um grupo de amigos 'criámos' um clube chamado A C V - Atlético Clube de Vilar... um clube que teve um emblema, equipamentos, uma Direcção, Treinador, Capitão de equipa, e que treinou, que competiu em torneios populares.. e, passados tempos, esse clube acabou, deixou de existir, cada um de nós seguiu a sua vida, o seu destino.

    Hoje, 36 anos depois, se por acaso me sair o Euromilhões, e eu decidir, quiser fazer renascer esse clube que fundamos em 1977..
    alguém me impede a mim, de juntar os amigos de então, de 1977, e de refundar, fazer renascer o ACV - Atlético Clube de Vilar - legalizando-o, registando-o, inscrevendo-o com nº de Contribuinte e tudo, com Estatutos e tudo, face às leis, exigências e regulamentos actuais, de agora, 2013, mas dizendo, assumindo que esse clube, foi mesmo fundado em 7/7/1977?!

    Alguém me pode impedir de o fazer, de o dizer, de o proclamar?!

    ResponderEliminar

  34. .

    Por isso, acho de um completo absurdo, de uma falta de carácter, de integridade intelectual alguém querer pôr em causa, questionar factos, argumentos, fundamentos, vivências de 1893, 1894, 1906... escalpelizando-os à escala, aos moldes de 2013 !!!

    Por exemplo, sabendo nós que o futebol até 1960 nem havia sequer a lei do fora de jogo, ou até 1970 nem se usavam caneleiras... então também podemos duvidar, negar que o futebol, já tenha mais de 140 anos!!!

    :-)

    ResponderEliminar
  35. Bem, o meu ponto de vista está por demais exposto ao longo do artigo e dos comentários, pelo que não vou repetir nem a mim nem aos outros.
    Cada um tira as conclusões que bem entender.

    Deixo apenas este artigo (Jornal O Porto, 10 de Novembro de 1956)retirado do blog de Armando Pinto, pela curiosidade do desenho com o esquema táctico da equipa portista de 1894 - http://i.imgur.com/tO6ouqX.jpg

    Saudações

    ResponderEliminar
  36. "Foot-Ball Club do Porto 1906-1933"Sendo assim o fc porto foi fundado so em 1933,já que antes era o Foot-Ball Club do Porto e não Futebol Clube do Porto.

    ResponderEliminar
  37. Artigo muito bom! Excelente trabalho! Parabéns! Serviu para calar alguns lampiões! Que vão mas é "historiar" a data de fundação deles e fazer as contagens direitas dos campeonatos (que eu saiba 27+3 não dá 33).

    ResponderEliminar