23 de novembro de 2013

Tantas vezes vai o cântaro à fonte...

...que algum dia lá deixa a asa.


Hoje Otamendi não foi protegido pela sorte que o costuma acompanhar e o disparate que cometeu ficou directamente ligado ao golo que fez o FC Porto perder dois pontos.

A equipa veio com uma ligeira alteração táctica e na forma de jogar, mas a atitude negligente após se encontrar em vantagem mantém-se inalterada. Paulo Fonseca demora uma eternidade a perceber o que está a acontecer e a mexer na equipa para corrigir o que está mal.

O FC Porto continua a defender de forma deficiente e a permitir que o adversário saia em contra-ataque em igualdade e, não raras vezes, superioridade numérica. Hoje, um Nacional da Madeira mais racional, mesmo com apenas 23% de posse de bola, teria vencido. Apesar disso, acabou por ganhar um ponto num lance de sorte, mas o aviso já havia sido dado por várias vezes ao longo do jogo.

A exibição, ofensivamente, foi positiva até ao 1-0 e é claro que foi o FC Porto quem mais fez por levar os três pontos. No entanto, Paulo Fonseca tem de pensar seriamente em fazer alterações no onze base. Otamendi e Varela têm estado numa forma péssima e há muito que a aposta neles deixou de ser um voto de confiança para ser um prémio à displicência. Maicon, Reyes, Ricardo e Licá têm valor e não podem continuar de fora quando os habituias titulares estão a jogar tão mal.

Neste momento o FC Porto é uma equipa perto do desespero - como mostra a subida do Helton à grande-área adversária quando o campeonato nem a meio vai - e com cada vez menos margem de erro. Com a concorrência a jogar mal, os Dragões só não se encontram com seis ou sete pontos de vantagem para o segundo classificado por culpa própria. É imperial que se assumam os erros e se pare de sacudir a água do capote. O discurso do "ainda vamos na frente" já esteve mais longe de ser mentira...