13 de fevereiro de 2014

O meio-campo de Paulo Fonseca

É do conhecimento de todos que o maior problema do FC Porto está época está no meio-campo. Se na época passada havia Fernando, Moutinho e Lucho que na pior das hipóteses jogavam só bem, este ano o Paulo Fonseca decidiu aproveitar a saída do português para desfazer por completo qualquer rotina que sobrasse naquele sector. Para piorar a situação, Lucho González foi vendido em Janeiro.

A ideia de inverter o triângulo não parecia má de todo em teoria, o problema foi que cedo se percebeu que havia algo que não estava a funcionar. Assim sendo, Paulo Fonseca deitou mãos à obra. Engana-se quem pensa que ajustou a forma da equipa jogar. O treinador do FC Porto optou por começar a testar combinações de jogadores para o meio-campo do seu tão amado 4-2-3-1.

Neste momento e com 32 jogos disputados, já foram testadas 15 combinações. Por vezes dá a sensação das escolhas serem feitas tendo como base o acaso. Fica assim claro o motivo para o fio de jogo que o ainda campeão nacional (não) apresenta.

É imperial para o FC Porto estabilizar um onze e começar a mostrar melhorias de forma imediata se ainda tem intenção de lutar pelo primeiro lugar do campeonato. De outra maneira será muito difícil, ou mesmo impossível, chegar sequer lá perto. A vantagem está toda do lado do Benfica, mas esse filme já foi visto mais que uma vez. É preciso acreditar mas, acima de tudo, primeiro é preciso melhorar. E muito. Infelizmente, enquanto não vir melhorias não consigo acreditar no tetracampeonato.