5 de maio de 2014

Entre a exigência e a tacanhez


Ao longo desta época os grupos organizados de apoio ao FC Porto tiveram oportunidade de mostrar o que valiam mas guardaram para a penúltima jornada para o fazer. A conclusão que se pode tirar daqueles que tiveram oportunidade de pressionar a SAD para demitir um treinador incompetente e não o fizeram preferindo ameaçar e coagir outros a não o fazer, aqueles que esperaram que a equipa perdesse tudo o que havia para perder e para estar a jogar para nada e com metade da equipa - onde se incluíam dois jogadores da equipa B - que pouco teve de responsável nesta época desastrosa por tão pouco terem jogado, é que não valem nada. Zero.

Os membros da direcção dos SuperDragões portaram-se como verdadeiros cobardes durante toda esta época. Mostraram que não passam de uns vendidos e que é difícil morder a mão a quem lhes dá de comer. Autênticos abutres que vivem às custas do clube - seja directamente ou indirectamente, como por exemplo na venda paralela de bilhetes - e que foram nada mais que paus-mandados da SAD durante toda a temporada. O maior acto de cobardia, como já mencionei, foi mesmo no jogo de ontem em que decidiram humilhar uma equipa que já não tem força anímica para se levantar.

Outro exemplo do portismo remunerado é o (muito mais que um simples) speaker do Dragão. Quem o seguir pelo facebook já percebeu que é já habitual este vir com moralismos sobre o que é e não é ser um verdadeiro portista, sendo que para ele "só quem lá foi (ao Dragão)" é que sabe. É tão fácil falar quando se tem a barriga cheia, não é?

É claro para todos que o FC Porto tem fazer alguma coisa para mudar. A minha sugestão é que os adeptos deixem de dar poder a quem há muito deixou de ser independente. Deixemos de apoiar pseudo-lideres, deixemos de apoiar parasitas. O FC Porto precisa de união, mas neste momento também precisa de quem saiba dizer "basta!".