5 de maio de 2014

O portismo do comodismo

Parece que o meu último post causou algum celeuma em alguns locais. Desde posts dedicados ao meu portismo e com suposições sobre o meu carácter em determinados blogs, passando a ameaças por mensagem privada no facebook, até chegar aos insultos nos comentários aqui no Portistas Anónimos. Valeu de tudo um pouco. Assim sendo importa para mim esclarecer alguns pontos:

- Em momento algum apelei à violência. Afirmar que se devia ter pressionado a SAD a demitir um treinador incompetente não é o mesmo que afirmar que alguém devia ter partido tudo. Quem tira essas conclusões assim do nada só pode estar a agir de má-fé ou a tentar deturpar uma mensagem clara. Atitude que se espera de um qualquer diário desportivo lisboeta, não entre portistas.

- Não me identifico com actos de vandalismo e nunca apelarei aos mesmos. Simplesmente esperava mais de pessoas que, como foi tornado público, foram chamadas à conversa com Pinto da Costa, Paulo Fonseca e Antero Henrique e decidiram a partir daí tentar filtrar qualquer iniciativa de manifestação contra o rumo que a equipa seguia. Será que foi pelo medo de ficar sem apoios do clube como já aconteceu no passado?

- Em momento algum critiquei quem pertence às claques do FC Porto. Critico sim quem tem oportunidade de ser ouvido por quem toma as decisões e não faz valer a sua posição. Além disso, critico também que se tenha decidido humilhar a equipa numa altura em que já tudo estava perdido. O tempo útil de fazer exigências passou há muito, tudo o que se faça agora nesse sentido é apenas show-off.

- Que o clube é dirigido de dentro para fora e não em sentido contrário já toda a gente percebeu e ainda bem que assim o é. No entanto, a ausência total de oposição nunca foi e nunca será benéfica. Se quem toma as decisões achar que está tudo bem e que tudo lhe é desculpável, épocas como esta começarão a ser o normal em vez de ser a excepção. Sem oposição não há democracia e, como felizmente nas últimas décadas nem foi necessário pensar nisso, as pessoas têm tendência a esquecer que o FC Porto é dos associados e não da SAD. Muito menos de um ou outro em concreto.

- Pinto da Costa, por ter feito do FC Porto tudo aquilo que é hoje e por ter provado que percebe de futebol mais que ninguém, é a única pessoa na estrutura do clube que merece todo o crédito e todas as oportunidades para resolver os problemas que vão aparecendo. Todos os outros, por um ou outro motivo, são olhados de lado. E não é só por mim, é por muita gente.