30 de setembro de 2014

Empate moralizador


Mesmo depois de dois empates consecutivos, a divisão de pontos não seria, à partida, um resultado negativo para o FC Porto, que jogava em casa de um dos concorrentes directos depois da vitória na jornada inaugural.

Depois do jogo, o empate sabe ainda melhor, mais do que seria de esperar mas, no entanto, não deixa de ficar um amargo de boca porque o FC Porto foi, a todos os níveis, superior ao Shakhtar na Arena de Lviv. Empatar um jogo depois de sofrer o 2-0 aos 85' é tremendo. A equipa revelou um enorme carácter e determinação pela forma como nunca desistiu de lutar pelo golo e, pelo menos, pelo empate. À PORTO!

Por outro lado, ficou a certeza de que poderíamos perfeitamente ter vencido este jogo, mas decidimos ligar o complicómetro. Primeiro, Brahimi, decidiu adicionar um capítulo à saga dos penaltys falhados. Depois, oferecemos de bandeja dois golos ao adversário que, principalmente na segunda parte, pouco ou nada fez para assustar Fabiano. Insistimos em sair a jogar desde a baliza, tudo bem, mas há que entender quando não há, simplesmente, condições para isso acontecer. Não sei até que ponto Lopetegui quer que a equipa resista ao pontapés para a frente, ou para fora, mas temos de ter atenção a este capítulo, pois todas as equipas - sem ajuda do Tactical Porto - já perceberam há muito como complicar esse momento de jogo aos azuis e brancos.

Não há golos sem erros, mas há erros evitáveis e temos cometido alguns nos últimos jogos que nos têm custado pontos. Hoje doeu menos porque fomos capazes de corrigir as coisas.

Bem Lopetegui a mexer na equipa. Jackson - já não há palavras - e Quintero entraram bem, Ádrian nem tanto, que rendeu um não tão inspirado Brahimi. Marcano fez uma excelente exibição - depois de Reyes em Alvaldade, parece que afinal não é assim tão complicado preencher aquela posição com eficácia - assim como Aboubakar: um portento físico e veloz que jogou um pouco desapoiado na primeira parte, mas mostrou excelentes indicadores.

Mais um empate, é certo, mas, sem dúvida, o mais saboroso deles todos pela forma como foi conseguido e primeiro lugar no grupo, enquanto os "coitadinhos" do BATE Borisov venceram o Bilbau. A vitória teria-nos ficado bem, mas quem comete erros como aqueles que nós cometemos dificilmente não é castigado.