3 de outubro de 2014

O invejoso da Segunda Circular


O Bruno de Carvalho é facilmente uma das pessoas mais idiotas que existe actualmente no futebol português. Acha ele que jogadores como o Falcao ou o Mangala, apesar de terem sido transferidos por verbas enormes, apenas renderam aos clubes (leia-se FC Porto) um ou dois milhões que, entretanto, já teriam sido gastos em nos salários dos mesmos. Pergunto-me o seguinte: no Sporting os jogadores jogam de graça? Caso a resposta seja positiva, até nem me espanto muito, parece-me justo que quem não ganha competição nenhuma também não receba dinheiro nenhum. Mas todos nos sabemos que os jogadores do Sporting têm salários e muitos deles bem altos. O Miguel Lopes que o diga...

Além de idiota é ainda hipócrita. Digo isto porque Bruno de Carvalho se mostra agora contra os fundos de investimento porque "não sabemos de onde vem o dinheiro", mas enquanto candidato à presidência do clube de Alvalade prometeu um investimento de €50 milhões que, por ironia do destino, chegariam através de um fundo russo. Com esta promessa acabou por ser eleito como presidente do Sporting, mas o dinheiro dos russos nunca chegou a aparecer.

Voltando aos negócios com os fundos, acha o individuo em questão que "foi só perder dinheiro" e que "é uma questão de matemática". Vamos a isso então:

- A 15 de Julho de 2009 o FC Porto anuncia a compra de 60% do passe do Falcao por €3,93 milhões. A 18 de Agosto de 2011 anuncia a venda do jogador por €40 milhões que, eventualmente, poderia chegar aos 47. 60% de 40 são 24, o que significa que o Falcao, além de títulos, rendeu ao clube cerca de €20 milhões. (Fonte: CMVM)

- A 16 de Agosto de 2011 o FC Porto contrata Mangala por €6,5 milhões. A 27 de Dezembro do mesmo ano vende por €2,65 milhões 33,33% e atribui 10% de uma futura transferência a uma outra entidade, ficando assim com apenas 56,67% dos direitos económicos do francês. A 11 de Agosto de 2014, esses mesmo 56,67% rendem ao clube €30,5 milhões. Contas feitas, o FC Porto lucrou €26,65 milhões. (Fonte: CMVM)

Claro que a estes valores faltará deduzir os prémios de assinatura, os valores de intermediação dos negócios e os salários que ambos auferiam. No sentido inverso, também não sabemos que parte dos €7 milhões em variáveis da transferência de Falcao recebeu o FC Porto. No entanto, os valores finas serão bem superiores ao lucro de um ou dois milhões mencionado pelo invejoso da segunda circular.