12 de novembro de 2014

Pinto da Costa também falha

Ponto prévio: Por já saber o que a casa gasta vejo-me forçado a dizer o óbvio, ou seja, que sei muito bem que o FC Porto é hoje um clube ganhador graças ao trabalho de Pinto da Costa nestes últimos 30 anos. Dito isto, vamos ao que me levou a escrever este texto.

Não é segredo para ninguém que toda a gente falha e, embora o faça muito menos que os outros (e reforço o muito), Pinto da Costa não é excepção. Por falhar tão pouco, foi com muito espanto que li as declarações do Presidente sobre Deco, onde aproveitou para meter mais lenha numa fogueira que já ardia demais. Há quem defenda que a indirecta era para certos comentadores e não para Tozé, opinião da qual não partilho. Se o objectivo não era atingir o jogador emprestado ao Estoril, Pinto da Costa como pessoa inteligente que é, devia ter deixado isso bem claro ou até evitar mandar indirectas de interpretação difícil, porque era fácil de prever que muita gente ia perceber que se tratava de uma mensagem para o Tozé. Toda a gente sabe o passado do Mágico e certamente que não seria preciso denegrir ninguém para o elogiar.

Pinto da Costa aproveitou mal esta aparição em público e atacou a pessoa errada. O FC Porto tem sido constantemente prejudicado e, numa escala surpreendentemente maior, o Benfica tem sido beneficiado de forma escandalosa. Tivesse sido a indirecta para Tozé ou para os comentadores, não me parece que isso ajudasse o clube em nada. Se os comentadores deixassem de aparecer na TV ou se o Tozé tivesse saído a correr quando foi substituído o árbitro do jogo em Alvalade tinha marcado a mão de Maurício? O árbitro auxiliar do jogo em Guimarães tinha voltado atrás na decisão de invalidar o golo a Brahimi? Ou mesmo neste último jogo, o penálti sobre Danilo tinha sido marcado? A resposta é óbvia. Bem mais óbvia que a indirecta.

Em vez de apontar o dedo a quem nos anda a prejudicar, o Presidente assumiu o papel de um qualquer adepto e fez uma declaração incendiária, capaz de marcar um jogador (nosso) para toda a carreira. Depois que adianta andar a dizer que quem canta não assobia se são os próprios responsáveis do clube a ajudar a denegrir os jogadores? O que fez o FC Porto quando Makukula e Jorge Ribeiro falharam penáltis de forma algo duvidosa frente ao Benfica? Ou então quando o treinador do Belenenses admitiu que o Miguel Rosa não jogou contra o Benfica porque a direcção não deixou? Era suposto o Tozé fazer o mesmo?

A mim pouco me importa se o jogador é benfiquista ou portista, mas se o próprio diz que o FC Porto é o clube do coração quem somos nós para duvidar? Tozé está há muitos anos ligado ao clube e não há conhecimento de que tenha tido qualquer tipo de problemas disciplinares, inclusivamente chegou a capitão de equipa. Ou engana bem ou estamos mesmo perante um bom profissional. Mas para que se perceba a diferença de tratamento entre casos semelhantes basta olhar para o caso do Rafa, jogador de hóquei em patins, que no ano passado estava emprestado ao Valongo, clube onde se sagrou campeão. Na altura alguém se importou com os festejos ou alguém teceu considerações sobre as suas preferências clubísticas?

Toda esta tensão em volta de um jogador que cumpriu o papel que lhe cabia é completamente inútil e, na melhor das hipótese para quem a promove levará a que todas as partes (Tozé e FC Porto) percam. Por isso é que de Pinto da Costa esperava mais.