14 de dezembro de 2014

Quem não marca sofre

É uma daquelas frases feitas no futebol e que assenta como uma luva a este Clássico. O FC Porto entrou bem no jogo e teve duas grande oportunidades para marcar, na primeira Herrera errou o alvo e na segunda Jackson rematou à figura de Júlio César. O Benfica chega ao ataque e faz o 0-1 naquilo que devia ser uma não-jogada: lançamento longo para a área, a defesa do FC Porto toda a olhar e lima, na pequena-área só teve de encostar. Mostrei aqui a minha preocupação sobre o tipo de marcação que Lopetegui usava nas bolas paradas e afirmei que muito dificilmente não sofreríamos um golo neste jogo se a situação se mantivesse. Realmente quem não marca sofre e o verbo marcar aqui até serve também no sentido das marcações, porque no neste lance Danilo esqueceu-se de acompanhar Lima e, para cúmulo dos cúmulos, andava um defesa central (Marcano) a passearna área sem ninguém para marcar e nem se preocupou em posicionar num local onde pudesse ser útil. Fabiano também fica mal na fotografia, uma vez que a bola "pinga" na pequena área e nem ia com muita velocidade. Danilo assumiu a culpa mas, embora não esteja isento dela, que devia dar a cara era o treinador, porque é uma decisão dele usar este tipo de marcação que não serve para mais nada que não seja expor os jogadores a estes erros. A marcação à zona é mais difícil de treinar? Talvez. Mas é para isso que há treinos quase todos os dias e às vezes mais do que um. Tem de haver tempo para tudo.

O lance do segundo golo também deixa muito a desejar a nível defensivo. Casemiro estava desposicionado porque tinha ido à esquerda ajudar Alex Sandro, a bola vem daí para o centro e Herrera continuou a acompanhar o lance com os olhos enquanto a defesa recuava. Foi Casemiro que teve de fazer um sprint para atrapalhar o Talisca na altura do remate e, uma vez mais, Fabiano falha e Lima aparece para encostar.

Um jogo em que o FC Porto devia ter ganho bem, onde Jackson mandou dois cabeceamentos à trave e teve um golo anulado pelo meio, transformou-se numa derrota por 2-0. Lopetegui não teve o engenho necessário para fazer com que a equipa explorasse o elo mais fraco do Benfica, o André Almeida, que ainda por cima ficou amarela do no primeiro minuto! Além disso esperou em demasia e só com o 0-2 é que decidiu mexer. A terceira substituição nem comento, porque se era para manter a defesa a quatro (Casemiro baixou para central e Indi passou para a lateral), não consigo perceber porque não saiu um jogador que já tivesse cartão amarelo.

A sensação que me dá é que no FC Porto não se aprende com os erros do passado. Jorge Jesus já é treinador do Benfica há tempo suficiente para toda a gente saber que no Dragão joga encolhido à procura do contra-ataque ou do golo um lance de bola parada. Se não for possível, o pontinho já é bem bom. Os últimos campeonatos foram quase todos decididos nos clássicos e hoje o FC Porto deu um grande tiro nos pés.

O campeonato está muito difícil e não estou a ver onde é que se podem recuperar seis pontos de atraso. Se nós a jogar em casa não fizemos o nosso dever, quem vai agora ganhar ao Benfica? A Académica? Mesmo o FC porto ganhando todos os jogos que faltam, incluindo o Clássico da segunda volta na Luz pelo menos por 0-2, é preciso ainda que o Benfica perca um outro jogo, tarefa que se adivinha muito dificil tendo em conta o histórico deste campeonato.

Compete agora ao FC Porto continuar a ganhar para manter o rival pressionado e esperar que Jorge Jesus perca pelo menos uma das jóias da coroa no mercado de Inverno. Está mais que provado que para ir ganhando em Portugal não é preciso grande banco, basta ter um onze competitivo, coisa que o Benfica (ainda) tem. A única coisa que é certa para já é que a Taça de Portugal já ficou para trás e o campeonato complicou-se bastante. É necessário mudar alguma coisa de forma imediata porque, internamente, não ganhando aos rivais dificilmente se ganha alguma coisa.