24 de fevereiro de 2015

Livin' on a prayer

«Temos de suportar, estando prontos ou não, vives pela luta quando ela é tudo o que tens», é o que diz parte da letra de uma música que os Bon Jovi apresentaram pela primeira vez em 1986 e que parece ter sido escrita a olhar para a equipa do FC Porto e para este campeonato. Neste momento a única coisa que os portistas podem fazer é rezar, porque já não basta a equipa ser melhor que os adversários, é preciso ser superior às arbitragens "infelizes", quer no campo onde está a jogar, quer nos campos onde jogam os concorrentes directos.

Hoje apetecia-me manda tudo para o caralho. E nem estou a falar propriamente do Hugo Miguel, porque a esse já o mandei mais que uma vez durante o jogo. Quando fez vista grossa ao penálti sobre o Hernâni foi a primeira, as outras foram-se sucedendo a cada entrada assassina dos jogadores do Boavista sobre os colegas de profissão do FC Porto. Curiosamente, o Boavista acabou com dois amarelos, tantos como o FC Porto, tendo o primeiro sido mostrado ao minuto 77. E o que fazem os responsáveis do clube em relação a isso? Nada. Rigorosamente nada.

A minha indignação deve-se ao facto de já toda a gente ter percebido que este campeonato está viciado, mas, além da revolta do Bernardino Barros e de uma ou outra boquita inofensiva do Pinto da Costa, ninguém faz nada, ninguém quer saber de nada. A 23 de Outubro escrevi aqui que o clube tinha de melhorar muito na forma como comunica com o exterior. Desde esse dia até hoje a situação não melhorou em nada e continuamos a assistir a um FC Porto que é roubado, maltratado e muitas vezes ridicularizado mas que não reage. Um FC Porto que deixa o treinador a dar o peito às balas sozinho enquanto que quem devia falar fica caladinho à espera não sei bem do quê.

A sensação que me passa é que os dirigentes portistas entraram numa fase de masoquismo, porque mesmo perante os roubos que acontecem jornada após jornada, ou mesmo na Taça da Liga como foi em Braga, continuam a apoiar a Liga e a manter um silêncio incompreensível perante situações como a do encontro entre Luís Filipe Vieira e Luís Duque ou as acusações de Bruno de Carvalho, que afirmou que o presidente do Benfica lhe ofereceu uma aliança para que os dois clubes lisboetas fossem campeões de forma alternada.

Mais vale mesmo irmos rezando, porque com tamanha passividade só mesmo com intervenção divina o FC Porto pode sonhar em ganhar qualquer coisa ainda esta época.