24 de fevereiro de 2015

O Vendido e a publicidade enganosa

José Eduardo Moniz foi o primeiro a sair da toca para se insurgir contra Lopetegui. Parece que Luis Filipe Vieira terá dado uma folga ao Ex-Director-Geral da TVI e este, aproveitado o facto de já não estar de joelhos e com a boca ocupada, lá veio espalhar mais um pouco da demagogia tão característica para os lados de Carnide. O ex-futuro candidato à presidência do Benfica desafiou Lopetegui a pedir os arquivos dos últimos 25 anos, mas estou certo que tal não será preciso, uma vez que em Espanha as competições europeias têm transmissão televisiva. O treinador portista certamente terá acompanhado as conquistas do FC Porto durante esse período e, em virtude disso, ainda terá uma memória bem viva das mesmas, tornando o recurso ao arquivo necessário apenas para lembrar as vitórias internacionais do Benfica. Taça Latina incluída.

O Vendido - que em 2009 foi uma das vozes encarnadas que se levantou contra o então e ainda actual presidente do Benfica, tendo mais tarde aceite o cargo de vice-presidente sendo assim anexado por Luís Filipe Vieira e, dessa forma, trocado o que acreditava por um tacho -, apareceu em entrevista à Rádio Renascença (e admiro que as pessoas ligadas ao clube da Luz falem para essa Rádio depois do papel desta no 25 de Abril e todas as implicações que a liberdade trouxe ao futebol português) exactamente no dia em que foi/seria notícia de relevo o facto de a Comissão de Instrução de Inquéritos ter decidido fazer algo em relação às acusações de Bruno de Carvalho após este ter acusado implicitamente Luís Filipe vieira e o Benfica de manipulação de resultados.

Talvez por tantos anos a trabalhar numa estação de televisão populista como é a TVI, José Eduardo Moniz sabe bem como desviar as atenções e fazer de uma mentira quase verdade. Basta ver toda a publicidade enganosa em torno da maravilhosa campanha do Benfica onde, segundo o próprio Jorge Jesus, os benfiquistas já não ficam contentes com um 3-0, ou então com a tão falada melhor defesa dos últimos sei lá quantos anos. Neste momento o Benfica tem menos um golo marcado (51-52) e os mesmos sofridos (10) que o FC Porto.

O Benfica faz-me lembrar a McDonald's, onde nas publicidades promete uns hambúrgueres todos bonitinhos mas na hora da verdade, ao abrir a caixa, reparamos que afinal foi-nos vendida uma coisa toda alagada. Mais fácil se torna enfiar os dedos nos olhos das pessoas quando se tem um especialista em comunicação, como é o actual vice-presidente, e uma exército mediático por trás, com BTV, A Bola, Record, Correio da Manhã, SIC e TVI à cabeça.

As acusações de José Eduardo Moniz sobre um eventual beneficio do FC Porto frente ao Boavista são ainda mais ridículas que o bigode do actual presidente do Benfica. No entanto, estaria a mentir se dissesse que esperava outra coisa. A actual direcção do Benfica sempre usou a contra-informação como forma de ocultar o que não lhe interessa que seja discutido, nem que para isso tenha de mentir descaradamente como neste caso. É nestas alturas que se exige uma resposta firme e imediata dos responsáveis azuis-e-brancos.

A pergunta que eu deixo é a seguinte: se Lopetegui, completamente sozinho, consegue causar tanta dor na comunicação social e nos dirigentes benfiquistas, o que aconteceria caso os dirigentes do FC Porto viessem dar a cara contra a farsa que tem sido este campeonato?

Eles não jogam nada e começam a ficar nervosos e impacientes com o facto do FC Porto continuar a resistir. Quatro pontos pressupõem uma vantagem com margem de erro, mas com um jogo de confronto directo ainda por disputar, muita coisa pode acontecer. E se o árbitro nomeado para um qualquer jogo do Benfica adoece no dia e tem de ser substituído por um sem que este tenha tempo de se preparar devidamente ou que, em caso de existir, não se tenha alistado no movimento "Por um Benfica Bicampeão"?