17 de agosto de 2015

Um filme já visto

Há pelo menos duas coisas em que a Televisão portuguesa é rica: filmes repetidos e intervalos gigantes. Este fim-de-semana foi mais do mesmo.

Com o primeiro terço da obra cinematográfica que conta a história de uma qualquer jornada de um campeonato de futebol a ser exibido logo na noite de sexta-feira, foi-nos possível ver um jogo de futebol carregado de incertezas até ao último segundo e que acaba por ficar decidido num lance em que um jogador efectua um lançamento de linha lateral dentro de campo mesmo nas barbas do fiscal-de-linha e, por ironia do destino, essa irregularidade dá origem ao golo que oferece a vitória por 1-2 a um dos - embora auto-denominado - candidatos ao titulo de campeão. Depois disto, intervalo de quase 24 horas.

Na noite de sábado o filme continua mas pouco de relevante acontece. Outro dos candidatos, talvez o maior de todos, vence por 3-0 um jogo que dominou por completo. O adversário pouco conseguiu fazer tal foi a forma como foi dominado. Depois disso foi preciso esperar novamente perto de 24 horas para saber como seria o desfecho deste enredo.

Eis que chega a noite de domingo. Novo jogo e novos desenvolvimentos. A equipa da casa começa de forma tremida e logo à passagem do minuto 15 devia ter visto o árbitro assinalar-lhe uma grande penalidade contra, mas, como seria fácil de prever para quem seguiu a história com atenção, nada foi marcado e a partida continuou. Perto do intervalo de jogo mais do mesmo: um jogador dos anfitriões comete falta para penálti mas que escapou aos olhos de toda a equipa de arbitragem. A segunda parte da partida foi muito rápida. Novo castigo máximo por assinalar contra os visitados que, pouco depois chegam ao 1-0, seguindo-se o 2-0 através da conversão de uma grande penalidade mal assinalada contra os visitantes e num fôlego chegam os terceiro e quarto golos. Fim do jogo; goleada.

Para quem não se recorda, este filme foi repetido vezes sem conta nos últimos 12 meses. Por isso desengane-se que acha que a vergonha que foi o último campeonato faz parte do passado porque não faz. A época 2015/2016 começou tal e qual como a 2014/2015, onde foi possível ver o Benfica ser fortemente ajudado pela N.ª Sr.ª do Amparo. O aviso foi feito há um ano mas vale a pena repetir: não basta ao FC Porto ter a melhor equipa porque o Benfica com um bocadinho de ajuda transforma com facilidade uma exibição cinzenta numa vitória por números expressivos.

Que desta vez a estrutura portista não acorde tarde demais.