17 de fevereiro de 2016

Os moinhos de vento e os inimigos reais


Ainda o Benfica 1-2 FC Porto se jogava e a imagem acima já rolava pelas redes sociais e era alvo da fúria portista. Dizia-se, entre outras coisas mais ou menos desagradáveis, que os jornalistas da TVI24 não conseguiam disfarçar a costela benfiquista e que este era apenas um dos exemplos. Claro que ir confirmar se o responsável pelo rodapé do já mencionado canal fez algo semelhante nos golos do FC Porto foi coisa que quase ninguém se lembrou fazer.



E não é que fez mesmo? Apesar da pouca pontaria nos nomes - que em poucos segundos foram corrigidos -, a forma como o golo foi transmitido foi a mesma. E é nestas coisas mesquinhas que por vezes se perde energias que deviam ser canalizadas para combater os inimigos reais. Como é o caso do próximo exemplo.

No jogo da primeira volta, também ele apitado por Artur Soares Dias, os especialistas em arbitragem quiseram transformar um lance banal na expulsão de Maxi Pereira.


Toda a análise ao lance pode ser lida aqui no blog, sendo a ideia geral é que o árbitro fez bem ao não dar cartão amarelo ao uruguaio. Aliás, nem falta assinalou sequer, uma vez que o jogo foi reatado com lançamento a favor do Benfica. Mas agora fica o teste para os mais atentos.

Lembram-se desta jogada em que Gaitán acaba por ficar lesionado depois de atingir Maxi e levar com o antigo colega de equipa em cima? O lance é parecido com o da primeira volta, certo? Lembram-se de alguém levar cartão amarelo nesta jogada ou de haver alguém a pedi-lo? E os analistas, o que disseram? A estas duas últimas respondo eu: não, ninguém levou cartão amarelo e não, nenhum dos ex-árbitros incluiu este lance nas respectivas análises. Parece que para essas pessoas a integridade física dos jogadores de algumas equipas valem mais que a de outras. Nada que me espante.