13 de setembro de 2016

Honestamente, fazes cá tanta falta como um violino num enterro


Aboubakar é um daqueles jogadores que não deixará saudades aos portistas. Dentro de campo nunca conseguiu mostrar nada que justificasse o valor que o clube pagou por ele e fora do recinto de jogo acabou por colocar uma pedra sobre quaisquer dúvidas que restassem ao afirmar que não quer voltar ao FC Porto.

O avançado camaronês é apenas um dos muitos jogadores que chegou à Invicta já com os olhos postos em outros campeonatos e que, paradigmaticamente, nunca mostrou vontade de ajudar o FC Porto a vencer. Infelizmente foram precisas três épocas para que os responsáveis azuis e brancos percebessem que não é com este tipo de gente, que só olha para o próprio umbigo, que se forma uma equipa vencedora e capaz de dignificar e lutar pelo emblema que trazem ao peito. E foi sob a bandeira de devolver o FC Porto às raízes que Nuno Espírito Santo assumiu o cargo de treinador.

Embora a época ainda vá curta, já é possível ver uma atitude diferente na equipa. Os jogadores entram em campo para vencer ou pelo menos para lutarem até ao fim para o fazer, algo que não se via num passado recente. Isso só é possível graças à saída do grupo de trabalho de alguns dos Aboubakares que nele gravitavam, o que por si só já faz o trabalho de Nuno Espírito Santo merecer avaliação positiva.

Quanto ao jogador em questão, espero que tenha uma longa carreira bem longe do Dragão.